Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O blog do Fi

um português em Berlim

O blog do Fi

um português em Berlim

Supergirl, DC Comics e a visibilidade LGBTI

Filipe B., 05.12.16


Para a editora e produtora DC Comics as questões LGBTI não são de todo uma novidade, tendo sido feitas já várias abordagens dentro desses temas nos seus variados produtos de entretimento. Assim de repente lembro-me de alguns personagens gay e lésbicas da série de tv Arrow, do livro Batwoman: Elegia (sobre o coming out da Batwoman), recordo-me do assumir da bissexualidade da icónica Catwoman e até da discussão sobre igualdade de género já referida várias vezes em Legends of Tomorrow (série de tv). No cinema, Ezra Miller fez história ao ser o primeiro actor openly queer a ser escolhido para protagonizar o super-herói The Flash, derrubando assim outro preconceito: o de que actores assumidamente lgbti não teriam esta oportunidade.

E há muitas outras provas de que a DC luta bastante pela visibilidade destes assuntos no seu vasto universo de heróis e heroínas. De facto há tantas provas disso que não sairia daqui hoje para as nomear. 




Mas hoje venho falar-vos de SupergirlAtenção aos SPOILERS para quem ainda não viu a season 2.  Sendo um programava de tv sobre uma rapariga que tem super poderes, ao ponto de ser quase invencível, esta série sempre teve desde o início um tom muito feminista, mais ou menos directo. Os produtores não esconderam de ninguém que tinham intenção de tocar em vários pontos da discriminação de género no local de trabalho (por exemplo). Portanto, logo aí foram dados passos em frente, fazendo do guião não só algo de puro entretenimento, mas também algo que poderia levantar questões e provocar o pensamento dos espectadores. 

Chegamos à segunda temporada. E a DC e o canal The CW parecem cada vez mais apostados em levar à frente a sua (super) luta pela igualdade.

Antes de continuar, convém dizer que já vi muitas séries e filmes onde foram abordadas situações de coming out. Mas penso que nenhuma cena me tocou tanto como a que vi recentemente em Supergirl.

O guião começou a desenvolver-se nesse sentido aos poucos, subtilmente revelando que uma personagem que já conhecíamos desde o primeiríssimo episódio poderia afinal não ser bem aquilo que todos tinham concebido dentro das nossas mentes mais ou menos estereotipadas (como de resto acontece na sociedade em geral).

As pistas para o que viria a seguira intensificam-se, quando num certo episódio essa personagem descobre que há um bar na cidade onde se encontram todos os aliens (neste caso, literalmente, seres de outros planetas), porque só aí se sentiam seguros... e longe do preconceito e da alienfobia que viviam lá fora. O paralelismo aqui presente é mais do que óbvio, certo?

Mas para não deixar escapar isso a ninguém, logo nessa cena uma outra personagem revela ser lésbica (num diálogo absolutamente natural) e deixa logo assente aquilo a que se propõe o show a partir daí.




Ao ser exposta a tanta liberdade e abertura de espírito, a agente Danvers (irmã da Supergirl) começa então a questionar a sua vida até então. E o espectador acompanha-a. De facto foi sempre uma personagem que desde o início nunca teve uma vida social para além da convivência com a sua irmã e amigos, sendo sempre muito focada no trabalho, sem grande tempo para nos dar sequer espaço para indagar sobre a sua vida pessoal mais íntima. E então tudo começa a fazer sentido. 

Ao perceber que afinal é também ela própria diferente da maioria, ao ver que há ali naqueles aliens algo que se aproxima de si, a agente Danvers leva-nos para algumas das cenas de coming out mais bonitas e tocantes de que há memória.

E porquê?

No vídeo que vou partilhar aqui podem entender melhor, ouvindo o diálogo das duas irmãs, mas aquilo que mais me emocionou foi ver que os guionistas tiveram a audácia de tocar aqui num ponto que muitas vezes é posto de lado, injustamente. E esse é o ponto de vista é o das pessoas a quem nós fazemos o nosso coming out, que nem sempre sabem como reagir (mesmo quando nos aceitam plenamente). Mas a Kara Zor-El, a Supergirl, vai mais longe e pede desculpa por nunca ter dado espaço para que no seu crescimento juntas pudessem falar naturalmente sobre a homossexualidade, mesmo quando ela própria vivia algo semelhante ao ter de esconder do mundo uma parte de si própria (afinal ninguém poderia saber que ela tinha superpoderes)

A vida é cheia de metáforas e artifícios que usamos para contornarmos várias dificuldades do nosso dia-a-dia, tornando-as assim muitas vezes mais aceitáveis. Não é que tenhamos um poder especial para o fazer. E aqui está uma das heroínas mais poderosas da terra a mostrar-nos que até ela não sabia como lidar com uma situação destas. O seu desconforto é perfeitamente justificado. 





Talvez muitos e muitas não saibam, mas a DC Comics sofreu um vil ataque nos anos 50 do século XX, quando o conceituado psiquiatra Frederic Wertham publicou uma tese em que afirmava que as histórias de Batman e Robin estavam a tornar as crianças homossexuais. Sim, isto aconteceu e foi dito e escrito por um dos psiquiatras mais reconhecidos da altura! E foi tão grave que a DC, para não perder nas vendas de livros,  teve que reformular os seus comics e introduzir à força a personagem Batwoman, como par romântico do Batman, de forma a afastar essas afirmações falsas de que haveria um romance gay entre o Batman e o Robin. Só que a introdução da Batwoman foi tão forçada que a própria DC decidiu matá-la anos depois... para a fazer reaparecer no seu universo, muitas décadas passadas (e já nos anos 2000), como uma heroína lésbica.

Não é brutal? A DC encontrou uma forma de se vingar de tamanha injustiça e não só o fez em grande estilo criando uma obra de referência, como aproveitou para afirmar com toda a garra que luta e lutará pela visibilidade das minorias.

Agora digam-me, como poderei não amar? Não escondo de ninguém, no mundo da banda-desenhada a DC e o Batman sempre foram os meus amores desde criança (se aquele psiquiatrazinho descobre isto!). Então imaginem o que é perceberes que a tua editora favorita tem vindo a mostrar cada vez mais apoio à tua própria causa? É que quando me apaixonei pelo trabalho que desenvolviam não fazia a mínima ideia de que um dia sentiria toda esta abertura em relação a temas tão frágeis. 

Os heróis são reais, afinal. E não me digam o contrário. Pois sei bem a esperança que pode significar, no seio de uma família, ver uma cena destas na televisão a mostrar-nos que não há nada a temer em sermos nós próprios... com super poderes ou não.