Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O blog do Fi

um português em Berlim

O blog do Fi

um português em Berlim

A culpa

Filipe B., 03.12.22

Eu em Berlim

Escrevo isto depois de ter visto este vídeo da Uyen Ninh

Ela tornou-se famosa no Tik Tok e Instagram por fazer vídeos sobre a sua vida de emigrante na Alemanha. E 99% dos vídeos são piadas sobre o choque cultural, o mau humor dos alemães, etc, mas de vez em quando vem um vídeo destes que nos faz reflectir. 

Ela fala da culpa. Ou melhor, ela refere-se ao sentimento de culpa por vivermos num país com melhores condições a nível social, da saúde, da educação, quando sabemos que as pessoas que deixamos para trás vivem em condições piores. E no meu caso, atentem, estou a falar de dois países europeus (Portugal e Alemanha) que, em muitas coisas, não estão assim tão diferentes. A Uyen vem do Vietname e não se pode comparar, com a minha, a enorme diferença que haverá no caso dela. 

Mas sim. Ainda há muitas diferenças. Dou um exemplo. Neste momento, como já sabem pelo que contei no blog, estou desempregado, porque fiz um acordo com a empresa, perante novos despedimentos, e saí. A tranquilidade e segurança que sinto agora e o apoio que tenho a nível monetário e em relação aos meus futuros estudos nunca existiu quando, por razões bem mais injustas, fiquei desempregado em Portugal. Lá foi dramático, depressivo, tive que depender dos meus pais.

Podia agora escrever 10 mil palavras sobre como os direitos dos trabalhadores são realmente importantes aqui... mas vá.

E portanto, sim, também me passa pela cabeça muitas vezes esse pensamento. A culpa é real.

Depois, para me tranquilizar, digo sempre a mim mesmo "Tu também sacrificaste muitas coisas para ter isto": o bom tempo e o Sol do teu país. A comida. O calor do povo. A facilidade de depender SÓ da tua língua materna.

E, acreditem, isto faz tanta diferença no teu dia-a-dia. Até no cansaço, exaustão, isso da língua tem um peso tão grande. Felizmente, graças ao meu esforço, estudo e investimento em escolas e aulas privadas, isso hoje já é um problema do passado.

Bem, poderia escrever um livro sobre os prós e contras disto tudo, mas fica para outra altura. A culpa que morra sozinha. 

Primeira neve do ano em Berlim

Filipe B., 20.11.22

neveberlim.jpg

Primeira neve do ano em Berlim!

Ou primeira neve deste Outono/Inverno, se quisermos ser mais precisos, pois lá no início de Janeiro bem nevou por aqui também.

Mas, para esta estação pós-Verão, este manto branquinho chegou bem cedo para o habitual.

Sinto-me sempre criança quando vejo os primeiros flocos de neve a cair. Talvez porque em criança não tinha isto.

Como é bom sermos assim relembrados de pedacinhos da nossa reconfortante inocência. 

Ela chega sempre. E às vezes quando não se espera. Como a neve. 

100 anos de Saramago

Filipe B., 16.11.22

saramago.jpg

Há 100 anos nascia o mestre e um dos melhores e maiores escritores que este mundo já viu escrever.

Nasceu numa pequena aldeia no Ribatejo.
Deu-me alguns dos meus livros favoritos de sempre, como "A Jangada de Pedra", "Ensaio Sobre a Cegueira', "As Intermitências da Morte" e "O Ano da Morte de Ricardo Reis". Só para citar alguns.


É absolutamente, e sem qualquer dúvida, o meu escritor favorito. E é, por acaso, português e ribatejano, como eu. 🤍

Obrigado, mestre.

Viverás para sempre nas nossas estantes, nos nossos corações e na nossa memória.

Em terra também se voa

Filipe B., 01.11.22

escolinha.jpg

 

Hoje seria o meu primeiro dia como desempregado aqui em Berlim (e é), mas como eu não tenho um minuto de descanso, lá fui conhecer a minha nova escola e assinar o meu contracto para os estudos (foi mesmo uma coincidência). A minha avó sempre me disse "Tu és incansável, tu chegas a todo o lado". E ela tinha tanta razão. Ontem às 9 da manhã entrei na sala de reuniões da agência de emprego (como se diz aqui).

Ia todo nervoso, por ter que falar só alemão, mas como o stress e os nervos às vezes dão um impulso necessário, lá falei e em menos de 1 minuto já tinha convencido a minha responsável de que queria mesmo mesmo mesmo fazer este curso. E foi assim, até falando o meu alemão cheio de erros, que, confiante, cheguei e consegui o que queria. De Comissário de Bordo a Web Developer (ou programador) é uma distância do caraças!

Mas eu também nunca tinha sonhado ser Comissário de Bordo e fui. Tal como nunca tinha pensado viver em Itália e vivi. Tal como nunca tinha imaginado sair do meu cantinho encantado e saí. E os meus pais bem dizem e repetem. "Tu desde que saíste de casa aos 18 anos para ires para a Covilhã, nunca mais ninguém te parou". Um explorador é assim, por mais que explore, nunca dá a exploração por concluída. E se há coisa que a pandemia e o mercado de trabalho capitalista e devorador que nós temos me ensinaram é que a vida é muito curta para se ser só uma coisa. E eu já fui tantas, graças a deus, e sinto-me feliz por encontrar satisfação em tentar sempre algo novo e em não me conformar facilmente. E como me disse a minha responsável lá no centro de emprego: "Agora são... novos voos. E em terra também se voa".

Também não foi só merito meu, tive sorte com quem me calhou. Uma senhora adorável e prestável. E vá, antes de começar o curso, para a semana vou de férias, que bem mereço. No final das contas tenho muito a agradecer a todo o apoio que tive, de amigos, família, profissional (terapia foi essencial neste processo horrível e longo dos despedimentos na empresa), e ontem e hoje tive tanto orgulho em mim e em nós e no que conseguimos fazer. 

Xbox Fanfest em Madrid

Filipe B., 15.06.22

IMG_20220615_114415.jpg

Fui convidado pela Microsoft a estar presente no Xbox Fanfest em Madrid. Assistimos em directo, no Cines Callao, em plena Gran Via, à transmissão do evento "Xbox & Bethesda showcase", uma celebração e apresentação dos videojogos da marca que chegarão às consolas Xbox, ao PC e ao serviço de streaming (com a tecnologia da nuvem) nos próximos 12 meses.

Obrigado Microsoft por este convite.

IMG_20220615_114731.jpg

E um obrigado gigante também à minha amiga Andreia, que me acompanhou nesta aventura. Não podia ter melhor companhia. Tenho tanto orgulho em ti, amiga, por tudo o que passaste recentemente e por essa Força que me mostras sempre. Tive tanto medo e revolta quando há 2 anos nos chegou essa notícia tão assustadora. Nestes 2 anos os videojogos foram muitas vezes o tema das nossas conversas, nem que fosse só para não falarmos daquilo, e os videojogos foram, sim, uma forma de superação. Os teus enfermeiros que o digam. E hoje tu és um exemplo tão grande para mim e acredito, sim, que tudo se alinhou (o convite inesperado, as nossas folgas coincidirem) para que fosse assim o nosso reencontro. 

Foi uma bela e poética forma de o universo nos voltar a juntar. Admiro-te tanto, tanto. E tenho que o dizer publicamente. Minha player 2.

IMG_20220612_185337.jpg

Mais? Fico muito feliz em ser um embaixador Xbox (já há cerca de 2 anos), pois é a marca que eu acredito estar a dar e a fazer mais por nós jogadores, com serviços como o Game Pass, todas as formas de acessibilidade e inclusão e um foco muito grande no consumidor.

E a forma como nos receberam, como fomos tratados, com tantos mimos e ofertas (entre as quais um ano de subscrição do Game Pass). 

Vocês são os maiores!

Ainda estou nas nuvens. Que noite incrível.

E o melhor: o estar ali no meio de todos os geeks e gamers tão apaixonados como nós. 💚

IMG_20220612_182422.jpg

Não sejamos hipócritas

Filipe B., 02.03.22

ukraineflag.jpg

Ontem juntámos alguns amigos aqui de Berlim e conseguimos uma boa quantia de dinheiro que vai ser usado por outra amiga, que está na Polónia, para comprar alimentos e outros bens necessários que serão depois entregues directamente por ela às pessoas que chegam através da fronteira com a Ucrânia.

Fico contente por conseguirmos ajudar directamente e não através de alguns pedidos duvidosos (cuidado, que há alguns scam aqui pelo online). 

E tenho que fazer outro apelo. 

Nós não podemos ser reféns desta hipocrisia. 

Sei que isto nos toca mais, porque é perto, porque é como se fosse a casa do vizinho a arder, porque é o irmão branco, não um estranho de pele escura que reza a um deus diferente mas, por favor, que isto nos ensine a ver o resto do mundo também. Que isto nos ensine a ter consciência de que uma mulher e uma criança a fugir da guerra em solo do Médio Oriente também são isso: uma mulher e uma criança a fugir da guerra. 

 

 

 

Um videojogo fez-me ir a um concerto: a violência

Filipe B., 12.02.22

deathstranding.jpg

Acabo de comprar bilhetes para o concerto dos Low Roar em Berlim, banda que descobri graças ao videojogo Death Stranding. As músicas da banda foram escolhidas para este jogo pelo mestre e criador Hideo Kojima

Admito que desconhecia a banda até ter começado a jogá-lo há cerca de 3 semanas.

Feliz por ter conseguido esse dia de folga e por ter comprado o meu bilhete, venho às redes sociais para partilhar o alegre acontecimento e deparo-me com uma notícia (e revolta geral sobre a mesma) que está completamente do outro lado desta questão.

Escreveu alguém, um jornalista (suponho), que o rapaz detido pelo planeado ataque à Universidade de Lisboa era "viciado em videojogos". É dada essa informação como se fosse uma justificação. "Estão a ver? Ele era viciado em videojogos, por isso se tornou violento", parece o autor desse título querer dizer-nos.

Aliás, esse é um preconceito há anos repetido e repisado pelos média em geral.

Ora, estou eu com os bilhetes para um espectáculo musical na mão, contente por ter mais um acontecimento cultural nesta vida de recentes isolamentos e eventos cancelados, e nada disto me faz sentido. Onde está aqui a violência?

Mais vos digo. Poderia escrever uma lista extensa, mas fico-me pelos primeiros videojogos que me vieram à cabeça. 

"Hellblade: Senua's Sacrifice" fez-me ler mais sobre saúde mental e terapia (num momento em que eu próprio pensava regressar às sessões com a minha terapeuta). Este jogo foi desenvolvido em conjunto com uma equipa de psicólogos e psiquiatras que ajudaram na criação de uma abordagem à saúde mental o mais real possível, sem cair nos estigmas do costume.

"God of War" (2018) fez-me interessar mais pela cultura nórdica. Por causa deste jogo pus-me a ler mais livros sobre o tema. Foi por isso que comprei e li o livro "Mitologia Nórdica" do Neil Gaiman. Cultura gera cultura, ou não?

"Assassin's Creed II". Este então é uma autêntica lição de história sobre o renascimento italiano (ou Renascença) e a cidade de Florença como palco da arte e desenvolvimento desse período da história. Foi sobretudo graças a este jogo que quis visitar Firenze. E depois disso voltei lá umas 5 vezes. Também por causa deste jogo pus-me a ler "O Príncipe" do Maquiavel (pois este aparece como personagem no jogo).

Mas sim, os videojogos tornam-nos muito violentos. Sem dúvida nenhuma. 

Ou então são os jornalistas que escrevem estas peças sem qualquer reflexão ou peso na consciência que nos tornam assim um bocadinho violentos, nem que seja num descarregar mais agressivo no inocente teclado deste meu computador, coitado, que não tem culpa nenhuma da imbecilidade de certas pessoas. 

Ora, fiquem lá com uma bonita música dos Low Roar, a ver se nos acalma. 

Pôr-do-sol no Ribatejo

Filipe B., 06.02.22

IMG_20220206_134010.jpg

O P. hoje fez-me uma surpresa e foi imprimir esta foto que tirou quando estivemos em Portugal em Outubro.

Tão linda a nossa moita. E o pai e o Zé Manel lá em baixo a apanhar os restos da azeitona daquele dia. E depois o pôr-do-sol mais bonito do Ribatejo, com o Sol a esconder-se atrás da Serra d'Aire. 

Saudades. E não são poucas.

Mas vemo-nos em breve. Os voos para Março já estão marcados.

Até lá esta imagem, que vamos colocar bem visível na parede do quarto, vai lembrar-me todos os dias do sítio lindo de onde vim e aonde sempre regressarei.

Aos 36!

Filipe B., 01.02.22

36aa.jpg

Aos 36!

Cheguei assim aos 36.

Este ano foi diferente. Foram 3 dias a celebrar a vida que tenho. Uma noite de sábado com os amigos pela minha Berlim encantada, um domingo de relax no spa/sauna e ontem um dia super tranquilo, tal como pedi.

Passei-o com o P., que me surpreendeu pela manhã com uns waffles de comer e chorar por mais (optei por não colocar a foto, porque não quero arruinar a vossa dieta hoje). E ainda tive a visita de outro amigo, que se juntou para jantar.

E os imensos telefonemas e mensagens lá foram encurtando a distância entre mim e aqueles que me querem bem. Recebi muito amor por estes dias.

E olhem, foi tudo muito simples, mas tão bom.

Uma coisa vos digo. Chego aos 36 com uma consciência e confiança em mim, no meu corpo e na minha mente que nunca pensei serem possíveis antes. É engraçado olhar para trás e ver aquele jovem nos 20 e tal, que era tão inseguro, achando que aquela era a idade das seguranças.

Ai, se eu pudesse voltar atrás e dizer-lhe "calma, calma, tens coisas tão boas à tua espera ó rapaz".

Olhem, sejam felizes, cuidem de vocês e é isso.

E obrigado a todos pelas vossas palavras e amor.